Parashá Beshalach

Pérolas Beshalach

(Exôdos 13:17–17:16  )

Travessia do mar e Tu Bishvat

Nesta semana, lemos sobre a passagem do povo judeu pelo Mar Vermelho. O Midrash (Mechilta) enumera dez milagres que aconteceram durante a travessia. Entre eles, “D-us extraiu doces do salgado”, ou seja, pode-se colher frutas doces das formações de águas salgadas do mar.

Na próxima semana, segunda-feira à noite, comemoraremos Tu Bishvat, o ano novo das árvores. O que podemos aprender das frutas? Nossos sábios se referem às mitsvot como “frutas” (Sanhedrin 37,a). Para que nossas mitsvot sejam como frutas comestíveis, elas precisam também ser saudáveis, livres de aditivos, ou seja, não contaminadas pelo ego.

As sementes simbolizam a capacidade de reprodução. Assim, as mitsvot devem “conter sementes” que plantem, dentro de nós e dos outros, o desejo de aprender e de compartilhar os ensinamentos com os demais. Não é por acaso que a primeira mitsvá daTorá é “Frutifique-se e multiplique-se”. (Gên. 1, 28). Além disso, tal como as árvores frutíferas, as mitsvot nos ligam tanto ao futuro quanto ao passado. Quando as frutas se decompõem, as sementes germinam. Eventualmente, elas crescem e se tornam novas árvores frutíferas. Esta cadeia, cujo primeiro elo remonta ao começo do mundo, é continua e eterna como as mitsvot que nos conectam a nossos antepassados e a nossa história.

Finalmente, as mitsvot, como as frutas, são doces. Elas satisfazem a ânsia pelas coisas mais deliciosas da vida: bondade, relacionamento profundo com D’us, senso de comunidade, transcendência e sabedoria.

No Jardim do Éden, todas as árvores produziam frutos. O Midrash ensina que, nos tempos de Mashiach, quando toda a criação retornará ao seu estado perfeito, todas as árvores, mais uma vez, darão frutos – frutos saudáveis, doces e deliciosos; frutos que produzem frutos. Certamente, se tentarmos realizar, a cada dia, o maior número possível de mitsvot, de forma doce e agradável, ligando-nos ao nosso passado, em breve teremos o prazer de experimentar a perfeição da futura Redenção: que seja em breve!

Shabat Shalom Umevorach!