Parashá Emor

Pérolas Emor

( Levítico  21:1–24:23)

O poder da fala

A Parashá desta semana se chama Emor. O significado literal da palavra hebraica emor é “diga”. Implica uma ação contínua, um mandamento perpétuo que se aplica a todos os lugares e em todos os tempos. Emor nos ensina que o pensamento não é suficiente: uma pessoa deve expressar o que pensa em sua fala. Falar exige que a pessoa pese e avalie seus pensamentos, analisando-os até chegar a uma conclusão satisfatória.

No entanto, por que apenas pensar seria insuficiente? Porque, como seres humanos, não podemos saber o que está acontecendo na mente de outra pessoa; se nossos pensamentos não forem verbalizados, ninguém mais poderá se beneficiar deles. Assim, a Torá nos ordena a “dizer”, revelar nossos bons pensamentos e ideias, compartilhando-os com nossos semelhantes.

A famosa mitsvá sobre amar o próximo como a si mesmo significa que todo bem que alguém possua deve ser compartilhado. Bons pensamentos estão nesta categoria, pois expressá-los pode alegrar e encorajar pessoas. Devemos transmiti-los de maneira eficaz e agradável para que surtam o efeito desejado no ouvinte.

Significativamente, o nome da porção da Torá é Emor (diga), e não Daber (fale). Daber é um termo mais severo que requer um argumento. Emor, por outro lado, sugere um tipo mais suave de fala e uma maneira mais agradável de se comunicar.

Desta forma, o mandamento para revelarmos nossos pensamentos ao próximo deve ser cumprido de maneira terna e amorosa. Ameaças e intimidações não devem constar em nosso vocabulário. Todos merecemos ser tratados com carinho e respeito. Esta é a lição do nome da Parashá: ter bons pensamentos não é suficiente. Para termos uma influência positiva sobre os demais, devemos revelá-los verbalmente e da maneira mais agradável possível.