Parashá Mishpatim

Pérolas Mishpatim

(Exôdos 21:1-24:18  )

Um empréstimo Divino

Um dos mandamentos contidos na porção da Torá desta semana, Mishpatim, é:  “Se você emprestar dinheiro a qualquer um do Meu povo” (Êxodos 22:24). Emprestar dinheiro é considerado uma mitsvá. Segundo nossos Sábios, D’us realiza todas as mitsvót que Ele ordena ao povo judeu.

Vamos examinar exatamente o que está envolvido neste tipo de transação: um empréstimo consiste em uma pessoa entregar dinheiro a outra, mesmo que não seja obrigada a fazê-lo. O dinheiro é um presente; o mutuário não dá nada em troca. No entanto, a pessoa que recebe a transação é obrigada a eventualmente pagar o doador.

O “empréstimo” de D’us para nós, no entanto, consiste nos talentos e habilidades que Ele nos confere para ter sucesso em nossas vidas diárias. Esses dons não são medidos, nem D’us os concede apenas aos merecedores, assim como empréstimos monetários não são feitos apenas para aqueles em extrema necessidade. E, no entanto, eles ainda são “empréstimos” e, portanto, devem ser reembolsados. Mas como pagamos nossa dívida? Utilizando nossas forças e habilidades para cumprir a missão divinamente designada para nossa vida, observando as mitsvót em cumprimento de Sua vontade.

A segunda metade do mandamento acima, afirma: “Você não será um credor para ele, nem depositará sobre ele juros”. É proibido ao credor pressionar o mutuário a reembolsar seu empréstimo. Ele não pode pedir seu dinheiro nem causar-lhe angústia. Se o empréstimo ainda não tiver sido reembolsado, é óbvio que o mutuário não tem dinheiro para fazê-lo. De fato, o credor nem pode se mostrar ao mutuário, evitando assim o constrangimento e vergonha.

Da mesma forma, D’us poderia facilmente exigir pagamento, punindo Seus filhos e infligindo dor e sofrimento, mas Ele não o faz. Pois é proibido ao credor causar pesar aos que estão em dívida com ele. Ao invés disso, D’us age em favor do povo judeu com bondade e misericórdia, concedendo-lhes todo tipo de bondade.

Sejamos conscientes e gratos pelas dádivas a nós concedidas, vivendo a missão que Ele nos incumbiu.