Parashá Teruma

A leitura da Torá desta semana, Terumá, começa com o mandamento Divino aos judeus para que doem ao Santuário: “E você dará uma oferta … ouro, prata e bronze” (Êxodos 25:3).

À primeira vista, pode parecer estranho que D’us liste o ouro em primeiro lugar. Não seria mais apropriado começar com o bronze, um item que poderia ser ofertado por todos e, apenas depois, mencionar prata e o ouro, metais que apenas os ricos poderiam doar? Por que, então, o ouro foi mencionado primeiramente?

Nossos Sábios ensinam que um judeu compartilha uma conexão intrínseca com o ouro. Todo judeu está conectado à sua fonte espiritual, mesmo dentro do contexto do mundo material. Ele é essencialmente rico e sua riqueza espiritual deve se refletir também na riqueza material. Se isso não é abertamente aparente, é apenas porque D’us deseja que o judeu revele sua riqueza por meio de seus próprios esforços, transformando as trevas em luz. Isso, por sua vez, atrairá uma abundância de bênçãos divinas a ele e ao mundo. Para enfatizar esse atributo, o primeiro item solicitado ao povo foi o ouro.

Podemos questionar: por que justamente o ouro? Porque ele é o mais valioso dos três metais utilizados no mishkan; e é desta forma que Hashem nos considera. Devemos então, ter sempre em mente que somos como o ouro no mundo espiritual. Não devemos medir esforços para cumprir nossas mitsvot a fim de que, no mundo material, também sejamos merecedores e recompensados com riqueza e abundância.