Pérolas Bereshit


Pérolas Bereshit 

 
(1:1-6:8)

Até o último instante.

A primeira Parashá dos Cinco Livros da ToráBereshit, relata-nos a criação do mundo que conclui com as seguintes palavras: “E D’us terminou, no sétimo dia, o trabalho que Ele havia feito”(Gênesis 2:2). Como esse versículo se relaciona com a proibição de trabalhar no Shabat? Afinal, se D’us completou a criação do mundo no sétimo dia, isso não implicaria que algum trabalho também tivesse sido feito naquele dia?


Rashi resolve este problema, explicando que o “relógio” de D’us é mais preciso que o nosso. Os seres humanos não podem medir o tempo com a mesma precisão que o próprio D’us e, portanto, devem parar de trabalhar vários minutos antes do anoitecer para garantir que o Shabat não seja violado. D’us, no entanto, sabia exatamente quando “o sétimo dia” começaria, e continuou criando o mundo até o último momento. Para nós, cuja noção de tempo não é tão perfeita, poderia parecer que D’us havia deixado de trabalhar apenas no próprio Shabat.

Cada letra, palavra e frase na Torá é precisa e incluída para nos ensinar algo positivo. Assim, o que deveríamos concluir do fato de D’us ter continuado o Seu trabalho até o último segundo?

Nossos Sábios nos ensinam que “D’us não criou nada supérfluo em Seu mundo”(Talmud Shabat 77:2), incluindo a criação do próprio tempo. Cada organismo, cada objeto e cada minuto foram criados com um propósito Divino e devem ser totalmente utilizados, não desperdiçados. Até mesmo um segundo pode fazer diferença.

Cada pessoa no mundo é criada com talentos e habilidades individuais, e cada um de nós recebe as circunstâncias certas nas quais podemos exercê-las ao máximo. Cada minuto que nos é designado é precioso e, de fato, toda a Criação pode depender de um único segundo. Uma minúscula boa ação pode virar a balança celestial e trazer a redenção agora mesmo, o ponto culminante de toda a criação. Aproveitemos cada instante!

Shabat Shalom Umevorach!