Pérolas Lech Lechá

Pérolas Lech Lechá    

(12:1- 17:27)

Embora nossos Sábios nos digam que Avraham, já havia “reconhecido seu Criador” aos três anos de idade, nenhuma menção ao início da vida de Avraham é realmente feita na Torá (além de um relato de sua genealogia). De fato, todo esse período de tempo, durante o qual Avraham se dedicou a espalhar a crença em D’us entre a humanidade, a ponto de ser jogado em uma fornalha ardente por suas convicções, é omitido. 

A Torá começa a narração da vida extraordinária de Avraham na porção desta semana, Lech Lechá, com as palavras: “E o Senhor disse a Avraham: Saia de sua terra, de seu local de nascimento e da casa de seu pai” (Gên. 12:01) – uma ordem que Avraham recebeu aos 75 anos! Cada palavra e letra na Torá é exata, revelando inúmeras lições para aplicarmos em nossas vidas diárias. A omissão da Torá nos primeiros anos de Avraham é, portanto, significativa e contém um ensinamento valioso sobre a essência do judeu. Até os 75 anos de idade, Avraham era como qualquer outra pessoa. Abençoado com uma mente talentosa, ele foi capaz de alcançar o entendimento intelectual da existência de D’us. No entanto, foi somente aos 75 anos que a vida de Avraham, como judeu e como progenitor do povo judeu, começou realmente. Não importa quão forte seja a crença de uma pessoa em D’us: quando a conexão com Ele se baseia na compreensão humana, ela é necessariamente finita e limitada. Até mesmo a vontade de Avraham de sacrificar sua vida estava enraizada em convicção intelectual. 

A ordem Divina a Avraham para que deixasse o lugar de seu nascimento começou um capítulo totalmente novo tanto no relacionamento dele quanto no do povo judeu com D’us, um capítulo que transcende a compreensão humana. A conexão dos judeus com D’us é eterna, baseada não em nossas faculdades intelectuais limitadas, mas no fato de que a alma judaica é “uma parte verdadeira do próprio D’us”. Um filho está ligado ao pai não porque aprecia suas qualidades, mas porque faz parte dele. Da mesma forma, nossa conexão com D’us é tão profunda que não pode ser alcançada simplesmente por nossos próprios esforços. Somente o próprio D’us poderia ter criado um vínculo dessa magnitude nos escolhendo para servi-Lo. 

Quando D’us disse a Avraham: “Saia da sua terra, do seu local de nascimento e da casa de seu pai”, ele estava ordenando que o patriarca embarcasse em um patamar totalmente novo de serviço; e ele e seus filhos passaram a ser, a partir de então, judeus conectados a D’us no nível mais profundo possível. As palavras “Saia da sua terra” marcaram o início dessa conexão sobrenatural entre D’us e o povo judeu, uma conexão que transcende as limitações da natureza. Portanto, mesmo aqueles judeus que, por qualquer motivo, tiveram pouca conexão com o modo de vida da Torá, não precisam esperar até adquirir uma profunda compreensão intelectual do judaísmo para começar a observar as mitzvot. Pelo contrário, como o judeu já está firmemente conectado a D’us, cumprindo Sua vontade, tal observância servirá para aprimorar o entendimento intelectual sobre a Torá e fortalecer seu vínculo eterno com o Criador.

Shabat Shalom Umevorach!