O que faço com a mortalha que me entregaram no cemitério?     

Dar a mortalha para os parentes do falecido foi uma pratica instituida na Alemanha para que os parentes voltassem e a enterrassem no dia do Shloshim.Esta prática foi instituida pois na época haviam famílias que fugiam do cemitério para não pagar para o Chevra Kadisha. Entregando a mortalha para os familiares eles buscavam garantir que os famliares voltassem e, assim pagar o que deviam. Portanto tal prática não tem nenhuma relevância nos dias atuais. 

O que faço com os sapatos do falecido?

Ha muito folclore sobre este assunto. Apenas as roupas que a pessoa estava vestida na hora que faleceu, não devem ser aproveitadas. Não existe nenhuma outra restrição em relação às outras roupas. 

O que faço com a camisa rasgada?

Você pode jogar fora, doar ou até costurar e usa-la novamente. A única restrição é de cerzir. 

O que faço com o Talit e Tefilin do falecido?

Nâo existe nenhuma regra específica, porém vale a pena enviar para um Sofer (Escriba) para verificar se está Kasher. Estando Kasher pode doar para um familiar que não tem ou para um terceiro. A colocação destes Tefilin trará méritos para a alma do falecido. 

É verdade que o Shabat corta o luto?

Não! Mesmo quando o luto termina no Sábado, ou seja, quando o enterro ocorreu no domingo anterior, as leis do luto continuam, porém apenas as leis que não são aparentes para os outros.