Shivá

O primeiro período é a Shivá, que compreende os Sete primeiros dias de luto, já considerando o dia do enterro como o primeiro dia. 

A forma mais apropriada de observar a Shivá é na casa do falecido, contudo, isto não é obrigatório, e os membros da família podem guardar o luto em qualquer outro lugar, até mesmo separadamente, nas suas próprias residências, de acordo com as circunstâncias.

Durante a Shivá, algumas práticas são observadas, clique abaixo.

Quero dedicar um Kidush ou Lechaim para elevação da alma do meu ente - (Indisponível no momento)

Shloshim

No trigésimo dia depois do enterro,  (contando o próprio dia do enterro), costuma-se fazer uma hazkará, ou seja, uma cerimônia em homenagem ao falecido. Nesta ocasião deve-se fazer um estudo de Torá especial em homenagem ao falecido, dar tsedacá e proferir discursos em honra à alma.

Muitos costumam visitar o túmulo do falecido neste dia, porém alguns aconselham evitar a visita ao túmulo durante o primeiro ano do falecimento, mesmo no término de shivá e do shloshim. 

Ao visitar o cemitério, deve-se recitar alguns capítulos de Salmos próximo ao túmulo, acender velas, de preferência cinco, e recitar o Kadish somente na presença de dez homens judeus acima da idade de Bar mitsvá. A partir do nascer do sol do trigésimo dia terminam as leis do luto, com exceção do luto por pai ou mãe, que continua com certas leis até os 12 meses.

Yurtsait

O dia do Yurtsait, como todo dia judaico, inicia-se ao pôr-do-sol da véspera e termina após o total anoitecer do dia seguinte, ou seja, após o horário da saída das estrelas.

Logo após o pôr-do-sol da véspera deve se acender uma vela que dure as 24 horas do dia do Yurtsait. Caso o Yurtsait cair no Shabat, a vela deve ser acesa ANTES das velas de Shabat. Caso cair no domingo, deve ser acesa APÓS o término do Shabat.

A principal conduta no dia do Yurtsait consiste em acrescentar o máximo possível em estudo da Torá e no cumprimento das mitsvot em mérito da alma do falecido.

Devem-se rezar todas as orações do dia (Arvit, Shacharit, Minchá e também Mussaf, no dia em que esta oração é recitada) perante o público, e recitar todos os Kadishim como durante os 11 meses.

Durante as orações, costuma-se acender velas perante o chazan, de preferência 5 velas, como durante os 11 meses.

Deve-se estudar Mishnaiot em memória do falecido.

Neste dia deve-se dar tsedacá, uma quantia maior que diariamente, principalmente antes das orações de Shacharit e Minchá.       

Se o dia do Yurtsait coincidir com o dia de leitura da Torá, deve-se dar ao filho uma Aliá à Torá. Ele também deve recitar o Kadish depois da leitura da Torá.   

No dia do Yurtsait costuma-se oferecer uma refeição na Sinagoga após a oração, ou pelo menos um “lechaim” e bolo ou outro aperitivo. Nesta ocasião, os participantes recitam berachot sobre os alimentos em mérito do falecido desejando a elevação de sua alma.

Se o Yurtsait coincidir com Shabat ou Yom Tov, costuma-se oferecer um Kidush na Sinagoga, em prol da elevação da alma.

Neste dia o filho deve visitar o túmulo. Caso não possa estar no túmulo no próprio dia do Yurtsait, deve fazê-lo na data mais próxima possível. Ao visitar o cemitério deve se esforçar para levar consigo um Minian para poder recitar o Kadish. 

No dia do Yurtsait os filhos devem despertar o coração para fazer teshuvá recebendo sobre si boas decisões para melhorar a conduta tanto nas mitsvot do homem para com D’us, quanto nas mitsvot para com o próximo.

Dúvidas? Contate-nos.