Parashá Devarim

O jejum de Tisha B’Av lembra a destruição do Templo Sagrado em Jerusalém há cerca de 2.000 anos. Sentamo-nos e lemos Lamentações. Nossos irmãos em Israel rezam no Kotel Hamaaraví e abraçam suas pedras – nosso único resquício do Templo Sagrado.

As palavras e o grito: “Se eu me esquecer de ti, ó Jerusalém!”(Tehilim, 137:5) nos manteve em nosso exílio e peregrinações. Onde quer que nos estabelecêssemos, voltávamos a Jerusalém em oração.

Mesmo que não podendo estar fisicamente presentes, estamos com o coração e mente. Agora, em Tisha B’Av, vamos chegar o mais perto possível dessas pedras preciosas. Tentemos delinear, mesmo que apenas no papel, nossas esperanças e anseios.

“Eis que meu amado está atrás de nossa parede, olhando pelas janelas, espiando pelas frestas” (Shir Hashirim, 2:9), escreveu o Rei Shlomô no Cântico dos Cânticos. A presença Divina nunca deixou o Muro das Lamentações.

O Kotel Hamaaraví não é apenas para os ricos e famosos. Tampouco somente uma atração turística ou um ponto de interesse arqueológico. Todo judeu possui um pedaço da rocha. E ninguém se perde entre as fendas. As pedras refletem nossas diferenças: grandes e pequenas, inteiras e quebradas, lisas e ásperas, juntas formamos uma parede formidável, uma fortaleza de fé que dura para sempre. Cada bloco de pedra é como uma página, cada linha um capítulo de nossa longa história judaica, escrita em pedra. A Rocha dos Séculos que garante a sobrevivência dos judeus.

Apesar de tudo, está incompleto. Não podemos nos contentar com apenas uma parede. Se nossa própria casa fosse destruída, sobrando apenas um muro – sem sala de jantar, quarto ou cozinha – estaríamos satisfeitos em viver dessa maneira?

Oramos diariamente por sua reconstrução. Para algumas pessoas, isso pode soar absurdo. Mas nossa crença em Mashiach é a pedra angular do Judaísmo. “Eu acredito plenamente na vinda de Mashiach. A cada dia eu o espero”, é a base sobre a qual tudo o mais está.

Devemos estudar, cumprir mitsvot, preparar-nos e aguardar a Redenção ao concluir as Lamentações. “Retorne para nós, ó D’us, e nós retornaremos para Você. Renove nossos dias como antes!”