O Shivá termina na manhã do sétimo dia do enterro. Por exemplo, se o enterro ocorreu num segunda-feira, o Shivá termina na manhã do domingo seguinte.

Importante lembrar que se o enterro ocorreu no domingo, o luto NÃO TERMINA NA SEXTA-FEIRA. As Leis do Shivá continuam até Sábado de manhã. A única diferença é, que no Shabat não se demonstra o luto de forma pública, mas esta regra independe se o Shabat for o último dia do luto ou qualquer outro dia.

No sétimo dia de luto, depois da oração de Shacharit, os enlutados devem sentar alguns minutos e os presentes devem consolá-los. Em seguida, devem mandá-los levantar dizendo: ‘levantem-se’, sendo que então os enlutados levantam-se do luto encerrando o período de Shivá. Alguns costumam colocar uma pedra no lugar onde sentaram shivá, e deixá-la no local por algum tempo. Outros costumam bater um preguinho no chão daquele local com uma pedra.

Caso o sétimo dia ocorra num Shabat isto é feito em Motsaê Shabat. Logo após levantar-se da shivá deixam de vigorar todas as leis da shivá, sendo permitido ao enlutado trocar as roupas, calçar sapatos de couro, sair de casa, trabalhar, etc. Deve apenas evitar ter relações maritais até o anoitecer.

Alguns têm o costume de, após o término da shivá, os enlutados saírem para a rua e darem uma volta no quarteirão. Isto é chamado em Yidish ‘bagleitn de neshome’, ou seja, acompanhar a neshamá.

No sétimo dia de luto a pessoa deve pensar um pouco em seus atos e tomar boas decisões para melhorar seu comportamento, praticando o bem e fazendo o correto.

Se o sétimo dia cai em Shabat, o ritual do enlutado se levantar não é realizado, como num dia de semana. Da mesma forma, este ritual não deve ser feito na véspera de Shabat, pois neste momento o luto ainda não terminou. Muitos costumam, porém, recitar os versículos, colocar a pedra e dar a volta no quarteirão após a saída de Shabat.